ArtigosMeditação mindfulness: será que isso é para mim??

Meditação mindfulness: será que isso é para mim??

Seria interessante que iniciássemos pela desconstrução do que vem a ser meditação. Há uma tendência a se pensar que o meditante é aquele que está sentado na posição de lótus e vive no alto da montanha e que até usa hábitos ou roupas diferentes. Há quem pense que meditação “não é para mim…”. Talvez seja este um primeiro sinal de que é.

A meditação acontece pela motivação, atenção e concentração ou foco. A sustentação do foco ocorre por meio da intenção em manter a prática e não em algum objeto ou objetivo, desde que a mente fique envolvida intencionalmente com algo. Para além de uma postura corporal, a meditação mindfulness é uma postura mental; treino do refinamento da sustentação da atenção. 

Inicialmente, poderá achar que as práticas são muito monitoradas. Mas isto serve, particularmente, para gerar um hábito mental de levar a mente a observar o próprio comportamento, construindo foco e ampliando a consciência. Como se fosse possível que sístole e diástole (como o pulsar do coração) acontecessem simultaneamente, a atenção plena capta tanto a minudência quanto o amplo. 

Cientistas sustentam que a prática de mindfulness desenvolve a visão interior e promove insights (lampejos de consciência), inspiração e criatividade. 

Para que servem os insights? 

Para desenvolver o discernimento, recurso fundamental na tomada de decisão, no rebaixamento de críticas, na redução de preconceitos e no desenvolvimento de uma mente curiosa, ou seja, aberta. 

Quanto menor o preconceito e a rigidez, maior o nível de aceitação e abertura; maior, portanto, a adaptabilidade. Segundo Darwin, não são os mais espertos e nem os mais inteligentes que sobrevivem, mas sim, os que mais se adaptam às diversas situações. 

Por que meditante no lugar de meditador? 

O meditador é aquele que se senta para meditar; já o meditante está sempre em prática… é preciso ser meditador para ser um meditante.  

O que é mindfulness e o que significa?  

Mindfulness. Termo do idioma inglês, traduzido do termo Sathi, do antigo e extinto idioma Pali, falado nas imediações do Nepal e norte da Índia, no período de Buda (o príncipe Siddhartha Gautama), empregado por Jon Kabat Zinn, ao desenvolver um protocolo cientificamente experimentado. Para o idioma português, a tradução de Sathi ou Mindfulness, por aproximação, é “atenção plena”, “recordar”, “metacognição – sei que sei”, “o caminho do coração presente”: contexto representado por este ideograma:

Mindfulness compõe-se de um conjunto de técnicas que levam ao “estado de presença”.

Há um protocolo muito característico que se fundamenta no desenvolvimento de práticas formais e exercícios do dia a dia que nos levam a alcançar este “estado de presença” espontaneamente.

Mas… é fácil ou é difícil? 

Nem um, nem outro.  Apenas depende da construção de novos hábitos. Utiliza a respiração como maior recurso. Como não há como vivermos sem respirar, então, pode ser razoável construir novos hábitos que contribuam para a saúde, com o uso da respiração aliado às práticas.

Para que serve? 

Mindfulness vem sendo empregado em prol da saúde e do desfrute de maior bem-estar e qualidade de vida.

Atualmente, passou a ser uma das práticas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde – OMS, como política de estado a ser implementada no âmbito da saúde, educação, no meio corporativo, entre outros segmentos.   Assim, a Escola de Mindfulness O caminho do coração presente — do Instituto Psiconsciência, Pesquisa, Serviços e Neuropsicologia Aplicada — vem promovendo cursos que levam esta prática para a vida dos participantes, para que eles possam aplicá-las, tanto em nível pessoal como profissional.

Para quem é indicado o mindfulness

Praticamente para quase todas as pessoas, da criança até ao que tem mais idade (*).  É indicado para todos aqueles que:

  • Querem reduzir o stress, a compulsão;
  • Gostariam de aprender a meditar;
  • Estão em processo de autoconhecimento;
  • Apresentam queixas de ansiedade, depressão, angústia e/ou desespero;
  • Precisam aprender a lidar com dores crônicas;
  • Querem melhorar sua memória, poder de concentração, criatividade e autoestima;
  • Visam tratar seus problemas de sono, cansaço, fadiga, desânimo e apatia.

(*) Recomendando-se certa precaução, em casos de esquizofrenia e momentos de crise de depressão severa.

Quais as 9 atitudes fundamentais para a prática de mindfulness?

1 – Não julgar, parte da experiência, dia após dia, dentro da prática. É o estado de envolver-se, o menos possível, com opiniões, desejos, expectativas, julgamentos e classificações das experiências.

2 – Paciência, grau de compreensão que respeita o ritmo próprio dos acontecimentos e das pessoas. Ninguém faz a borboleta voar antes do seu tempo! Com mindfulness, praticamos esta atitude, tanto com a mente, quanto com o corpo.

3 – Mente do principiante, cada momento é único. Este olhar desperta e desenvolve a capacidade de apreciar a vida, momento a momento, liberando a mente das crenças com base no que já sabemos e no que já vivemos. Promove uma mente aberta.

4 – Confiança, a partir da prática, a integridade e inteireza, em nível físico, psíquico e emocional, facilitam e estimulam o desenvolvimento da confiança em si mesmo(a) e em seus sentimentos, proporcionando maior abertura para a intuição. Estes fatores são primordiais para seguir o caminho do coração presente.

5 – Não lutar, diminuir a imposição de estabelecer objetivos e metas. No âmbito da prática meditativa, há uma espécie de “não fazer”, ou deixar fluir; diminuir as expectativas inerentes à filosofia de resultados e aprender a se relacionar com a realidade, com tendência a aceitar mais as coisas como elas são.

6 – Aceitação, ver as coisas como elas são, no momento que ocorrem, pois passamos boa parte de nosso tempo negando a nossa realidade.

7 – Soltar, entregar-se à experiência sem se prender, aceitando e deixando fluir, como testemunha que aprecia, da mesma forma quando dormimos e sonhamos. 

8 – Gratidão, ato de sentir gratificado pela vida.

9 – Generosidade, capacidade de doar-se sem com isso sentir carência ou falta de algo, antes pelo contrário, há a sensação de plenitude!

Traveling in nature. travel outdoor backpacking nature. Nature. Travel. Traveling. Sunset. Hiking. Nature and beautiful mountain view. Travel landscape nature.

Do que mais eu preciso?

São importantes também outros aspectos da atitude:

Vontade – propósito. Força interna, capaz de fazer da vontade uma ação. 

Intenção – determinação de agir, força que move a ação. 

Motivação – força motriz da intenção; ímpeto que dá propósito ou direção ao comportamento. Opera em nível consciente e inconsciente. Pode ser de cunho primário (fisiológico) ou secundário (social), como afiliação, competição, interesse e metas individuais. Há que se considerar as forças motivadoras internas e fatores externos, como recompensa ou punição, que podem encorajar ou desencorajar certos comportamentos. 

Motivação intrínseca – um interesse genuíno desvinculado dos benefícios externos que eventualmente podem ser obtidos, incentivo para o envolvimento em uma atividade específica derivada da própria atividade. 

Motivação extrínseca – motivo externo para envolver-se em uma atividade específica, principalmente a motivação decorrente da expectativa de punição ou recompensa. 

Motivação para realização – desejo de superar obstáculos e vencer desafios.

Motivação de ser – metamotivação: motivação que opera na linha da transcendência, autorrealização.

Quando a intenção é a mesma da motivação – a prática flui.

Boa prática!

* Trechos extraídos da introdução do “Diário de Bordo do Meditante” © 2021-2022 Instituto Psiconsciência / Escola de Mindfulness O caminho do coração presente.

Autor

Paula Portocarrero
Paula Portocarrero
Presidente da TV PSI Também presidente do Instituto Psiconsciência. Inscrita na Ordem do Psicólogos Portugueses (32734) e no Conselho Regional de Psicologia (4799/1) Brasil. Mestre em Psicologia Social, Neuropsicóloga – pesquisa os efeitos da meditação mindfulness na consciência. Certificada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional - IFP sob o n.º F697250/2020. Especializada em Psicologia Junguiana, Ontopsicologia e Psicologia Budista Tibetana, com mais 30 anos de experiência clínica, em 22 dos quais inclui a meditação na praxis terapêutica.

Leia mais

- Publicidade -

Últimas Notícias

Veja Também

- Publicidade -