NotíciasGato robótico de estimação aumenta o humor, o comportamento e a cognição...

Gato robótico de estimação aumenta o humor, o comportamento e a cognição em adultos com demência

Pesquisadores testaram a eficácia de gatos robóticos interativos e acessíveis para melhorar o humor, o comportamento e a cognição em adultos mais velhos com demência leve a moderada. Os sintomas de humor e comportamentais foram medidos junto com a cognição usando o Mini Exame do Estado Mental (MEEM). A intervenção com o gato robótico melhorou todos os escores de humor ao longo do tempo, com melhorias significativas no humor e na depressão. Mais da metade dos participantes pontuaram mais alto no pós-teste do MEEM do que no pré-teste, com melhora leve a moderada na atenção / cálculo, linguagem e registro. Os gatos robóticos também forneceram aos participantes uma forma alternativa de se expressarem.

Os indivíduos com doença de Alzheimer ou demências relacionadas (ADRD) costumam apresentar sintomas comportamentais e psicológicos, como depressão, agressão e ansiedade. Freqüentemente, esses sintomas são tratados com antipsicóticos, antidepressivos e benzodiazepínicos, que costumam ter efeitos colaterais.

Embora a terapia com animais de estimação seja conhecida por ser uma intervenção terapêutica e econômica para melhorar o humor e o comportamento em adultos mais velhos, pouco se sabe sobre a terapia com animais de estimação em creches para adultos (lares), apesar das vantagens logísticas, como socialização e atividades em grupo.

Com a ajuda de um companheiro “peludo” e fofinho, pesquisadores da Escola de Enfermagem Christine E. Lynn da Florida Atlantic University (FAU) testaram a eficácia de gatos de estimação robóticos interativos para melhorar o humor, comportamento e cognição em adultos mais velhos com demência ligeira a moderada. A intervenção não farmacológica ocorreu ao longo de 12 visitas em um centro de dia para adultos. Os participantes foram informados de que seu animal de estimação era um robô e não um animal vivo. Cada um escolheu um nome para o seu gato, que tinha uma coleira e um crachá personalizado.

Para o estudo, publicado na revista Issues in Mental Health Nursing, os pesquisadores avaliaram o humor e os sintomas comportamentais usando a Escala de Humor da Doença de Alzheimer e Demências Relacionadas, a Escala de Avaliação de Emoções Observadas e a Escala Cornell de Depressão em Demências. Eles também avaliaram a cognição por meio do Mini Exame do Estado Mental.

Os resultados mostraram que a intervenção com um gato robótico de estimação melhorou todos os escores de humor ao longo do tempo, com melhorias significativas na Escala de Avaliação da Emoção Observada e na Escala Cornell de Depressão em Demência. Mais da metade dos participantes pontuou mais alto no pós-teste do Mini Exame do Estado Mental do que no pré-teste, com melhora leve a moderada na atenção / cálculo, linguagem e registro. As pontuações pós-teste na Escala de Humor da Doença de Alzheimer e Demências Relacionadas foram seis pontos mais altas do que as condições pré-teste.

Os pesquisadores frequentemente observaram os participantes do estudo sorrindo e conversando com seus gatos robóticos e expressando sentimentos como “o gato está olhando para mim como alguém que me escuta e me ama”. Eles acreditavam que o animal robótico estava respondendo às suas declarações miando, virando a cabeça ou piscando os olhos e que estavam conversando com o animal. Vários cuidadores relataram que seu ente querido havia dormido com o gato, segurado no gato quando estava sentado ou brincado constantemente com o gato. Uma participante até dormiu com seu gato robótico de estimação enquanto ela estava hospitalizada. 

“Como não há cura para a demência, nosso projeto oferece uma maneira de tratar os sintomas naturalmente e sem o uso de tratamentos farmacológicos, que podem ou não ser eficazes e ter possíveis efeitos colaterais prejudiciais”, disse Bryanna Streit LaRose, Enfermeira Licenciada em Práticas Avançadas (APRN) e Doutora em Prática Farmacêutica (DNP), autora principal que conduziu o estudo como estudante de doutorado em enfermagem na FAU, juntamente com as coautoras Lisa Kirk Wiese , Ph.D., professora associada e presidente do corpo docente de Streit LaRose, e Maria de los Ángeles Ortega, DNP, APRN, professora, diretora do Centro de Bem-Estar e Memória Louis and Anne Green, da FAU, e coordenadora da comunidade de Streit LaRose no projeto, ambas  na Escola de Enfermagem Christine E. Lynn. “Nossa intervenção foi acessível, segura e não invasiva.” 

Ao usar animais de estimação terapêuticos em vez de animais de estimação vivos, não havia preocupação com a segurança do animal, alimentando-o, levando-o para fora ou certificando-se de que estava em dia com as vacinas. Além disso, não houve receio sobre a segurança dos participantes devido a possível agressão ao animal de estimação, alergias, tropeçar neles e os custos associados ao cuidado de um animal vivo.

“Além de melhorar o humor, os comportamentos e a cognição, esses gatos robóticos de estimação forneceram aos nossos participantes uma forma alternativa de se expressarem”, disse Wiese. “É importante ressaltar que melhorar o humor geral e o comportamento em indivíduos com doença de Alzheimer e demências relacionadas também pode melhorar a qualidade de vida de seus cuidadores e familiares.”

As pesquisadoras também examinaram a relação entre o Mini Exame do Estado Mental e as pontuações da subescala pós-intervenção da Escala Cornell de Depressão na Demência, Escala de Avaliação da Emoção Observada e Escala de Humor da Doença de Alzheimer e Demências Relacionadas. Elas encontraram múltiplas correlações significativas entre as 11 subescalas da Escala de Humor da Doença de Alzheimer e Demências Relacionadas e o Mini Exame do Estado Mental após a intervenção. Nove categorias relacionadas ao humor / comportamento agradável se correlacionaram favoravelmente com a pontuação do Mini Exame do Estado Mental, indicando uma relação entre o humor / comportamento positivo e as pontuações aumentadas do Mini Exame do Estado Mental.

“Nos Estados Unidos, um em cada três adultos mais velhos morre com a doença de Alzheimer ou uma demência relacionada e atualmente não há cura para o fardo que cresce rapidamente”, disse Safiya George , Ph.D., reitora da Esacola de Enfermagem Christine E. Lynn. “Esta intervenção terapêutica interativa com animais de estimação provou ser um método alternativo seguro para melhorar o humor e o comportamento em pessoas com demência que frequentam um centro de dia para adultos.”

Wiese e Ortega também são membros do Instituto FAU para Saúde Humana e Intervenção em Doenças (I-HEALTH), criado para promover a saúde por meio de pesquisas pioneiras e aplicações práticas. 

FONTE:  Gisele Galoustian – Florida Atlantic University News Desk, 27/10/2021

Autor

Redação TVPsi
Somos um portal dedicado a saúde mental. Uma resposta ousada à verdadeira pandemia mundial.

Leia mais

Últimas Notícias

Veja Também