ArtigosA amamentação pode impactar positivamente o desempenho cognitivo de mulheres na pós-menopausa

A amamentação pode impactar positivamente o desempenho cognitivo de mulheres na pós-menopausa

Um novo estudo liderado por pesquisadores da UCLA Health descobriu que mulheres com mais de 50 anos que amamentaram seus bebês tiveram melhor desempenho em testes cognitivos em comparação com mulheres que nunca amamentaram. As descobertas, publicadas na Evolution, Medicine and Public Health , sugerem que a amamentação pode ter um impacto positivo no desempenho cognitivo das mulheres na pós-menopausa e pode ter benefícios de longo prazo para o cérebro da mãe.

“Embora muitos estudos tenham descoberto que a amamentação melhora a saúde e o bem-estar de uma criança a longo prazo, nosso estudo é um dos poucos que analisou os efeitos de longo prazo na saúde de mulheres que amamentaram seus bebês. Nossos resultados, que mostram desempenho cognitivo superior entre mulheres com mais de 50 anos que amamentaram, sugerem que a amamentação pode ser ‘neuroprotetora’ mais tarde na vida“, afirma Molly Fox, PhD, autora principal do estudo e professora assistente no Departamento de Antropologia e no Departamento de Psiquiatria e Ciências Biocomportamentais da Universidade da California – Los Angeles (UCLA).

A saúde cognitiva é crítica para o bem-estar de adultos idosos. No entanto, quando a cognição torna-se prejudicada após os 50 anos, pode ser um forte indicador da Doença de Alzheimer (DA), a principal forma de demência e causa de deficiência entre os idosos – com as mulheres compreendendo quase dois terços dos americanos vivendo com doença.

Muitos estudos também mostram que fases da história reprodutiva da mulher, como menstruação, gravidez, amamentação e menopausa, podem estar associadas a um risco maior ou menor de desenvolver várias condições de saúde, como depressão ou câncer de mama, mas poucos estudos examinaram a amamentação e seu impacto na cognição de longo prazo das mulheres. Entre aqueles que o fizeram, há evidências conflitantes sobre se a amamentação pode estar ligada a um melhor desempenho cognitivo ou ao risco de Alzheimer entre mulheres na pós-menopausa.

“O que sabemos é que existe uma correlação positiva entre a amamentação e um menor risco de outras doenças, como diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, e que essas condições estão fortemente ligadas a um maior risco de DA”, disse Helen Lavretsky, MD, o autor sênior do estudo e professor do Departamento de Psiquiatria e Ciências Biocomportamentais do Instituto Semel de Neurociência e Comportamento Humano da UCLA.

“Como a amamentação também ajuda a regular o estresse, promove o vínculo do bebê e diminui o risco de depressão pós-parto, o que sugere benefícios neurocognitivos agudos para a mãe, suspeitamos que também poderia estar associado a um desempenho cognitivo superior a longo prazo para a mãe também “, acrescentou o Dr. Fox.

Para descobrir, os pesquisadores analisaram dados coletados de mulheres participantes de dois ensaios clínicos transversais randomizados e controlados de 12 semanas na UCLA Health: 1) A “Conectividade do cérebro e resposta ao tai chi na depressão geriátrica e declínio cognitivo” incluiu participantes deprimidos . 2) A “Redução do risco de doença de Alzheimer em mulheres de alto risco por meio de ioga ou treinamento de memória, que incluiu participantes não deprimidos com algumas queixas subjetivas de memória e risco de doença cardíaca.

Entre os dois ensaios, 115 mulheres optaram por participar, com 64 identificadas como deprimidas e 51 não deprimidas. Todos os participantes completaram uma bateria abrangente de testes psicológicos medindo aprendizagem, memória atrasada, funcionamento executivo e velocidade de processamento. Elas também responderam a um questionário sobre sua história de vida reprodutiva que incluía perguntas sobre a idade de início da menstruação, número de gestações completas e incompletas, tempo de aleitamento materno para cada filho e a idade da menopausa.

É importante ressaltar que nenhum dos participantes tinha sido diagnosticado com demência, ou outros diagnósticos psiquiátricos, como transtorno bipolar, dependência de álcool ou drogas, distúrbios neurológicos ou outras deficiências que impedissem sua participação ou tomar qualquer medicamento psicoativo. Também não houve diferença significativa na idade, raça, educação ou outras medidas cognitivas entre os participantes deprimidos e não deprimidos.

As principais conclusões da análise dos pesquisadores dos dados coletados em questionários sobre a história reprodutiva das mulheres revelaram que cerca de 65% das mulheres não deprimidas relataram ter amamentado, em comparação com 44% das mulheres deprimidas. Todas as participantes não deprimidas relataram pelo menos uma gravidez completa em comparação com 57,8% das participantes deprimidas.

Os resultados dos testes cognitivos também revelaram que aquelas que amamentaram, independentemente de estarem deprimidas ou não, tiveram melhor desempenho em todos os quatro testes cognitivos que medem para aprendizagem, memória atrasada, funcionamento executivo e processamento em comparação com mulheres que não amamentaram.

Análises separadas dos dados para os grupos deprimidos e não deprimidos também revelaram que todos os quatro escores do domínio cognitivo estavam significativamente associados à amamentação nas mulheres que não estavam deprimidas. Mas nas mulheres deprimidas, apenas dois dos domínios cognitivos – funcionamento executivo e velocidade de processamento – foram significativamente associados à amamentação.

Curiosamente, os pesquisadores também descobriram que um tempo maior de amamentação estava associado a um melhor desempenho cognitivo. Quando eles somaram todo o tempo que uma mulher passou amamentando em sua vida, eles descobriram que as mulheres que não amamentaram tiveram escores cognitivos significativamente mais baixos em três dos quatro domínios em comparação com as mulheres que amamentaram por 1-12 meses, e em todos os quatro domínios em comparação com as mulheres que amamentaram por mais de 12 meses. As mulheres que amamentaram por mais tempo tiveram as maiores pontuações em testes cognitivos.

“Estudos futuros serão necessários para explorar a relação entre o histórico de amamentação das mulheres e o desempenho cognitivo em grupos maiores e geograficamente diversos de mulheres. É importante compreender melhor as implicações da amamentação para a saúde das mulheres, visto que as mulheres hoje amamentam com menos frequência e por períodos de tempo mais curtos do que os praticados historicamente “, disse o Dr. Fox.

FONTE: Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), Ciências da Saúde / News-medical.net, em 22/10/2021.

Matéria baseada em estudo originalmente publicado por Oxford University Press on behalf of the Foundation for Evolution, Medicine, and Public Health.

Autor

Redação TVPsi
Redação TVPsi
Somos um portal dedicado a saúde mental. Uma resposta ousada à verdadeira pandemia mundial.

Leia mais

- Publicidade -

Últimas Notícias

Veja Também

- Publicidade -