ArtigosTerapia da lentidão mostra-se promissora em crianças com transtorno do espectro do...

Terapia da lentidão mostra-se promissora em crianças com transtorno do espectro do autismo

“O mundo geralmente passa rápido demais para que as crianças com transtorno do espectro do autismo (TEA) o processem”, de acordo com os autores de uma avaliação recente da terapia da lentidão publicada no Journal of Autism and Developmental Disorders . Em seu estudo, eles avaliaram o impacto de um método de redução da velocidade de entrada de estímulos em crianças com TEA, ao longo de um período de 12 meses, concluindo que a abordagem produziu benefícios significativos.

A desaceleraçao é baseada na teoria temporal do TEA, que supõe que mudanças nos estímulos audiovisuais são muito rápidas para pessoas com TEA, especialmente crianças, dificultando a percepção e integração das informações. Portanto, desacelerar as informações pode ajudá-los a processá-las.

Os pesquisadores recrutaram 23 crianças (20 meninos e 3 meninas; idade média, 5,8 anos [variação, 3 a 8 anos]) que preencheram os critérios da CID-10 para autismo ou síndrome de Asperger e os critérios do DSM-5 para TEA. 87% das crianças tinham autismo moderado a grave. Por 12 meses, as crianças foram aleatoriamente designadas a um grupo-alvo que participava de sessões semanais de fonoaudiologia de 45 minutos usando terapia de lentidão ou a um grupo controle que recebia terapia fonoaudiológica semanalmente sem terapia de lentidão.

A terapia de lentidão foi administrada via Logiral, que é um software que desacelera simultaneamente os sinais visuais e auditivos com uma sincronia muito boa e pouca ou nenhuma distorção. Os fonoaudiólogos foram instruídos a personalizar a velocidade ideal para cada participante com base em como a criança individual reagia a diferentes velocidades de apresentação.

Todas as crianças foram avaliadas quanto à comunicação, imitação, reconhecimento facial de emoções, comportamento e reconhecimento facial no início e no final do estudo.

Os pesquisadores descobriram que o comportamento inadequado diminuiu ao longo do tempo no grupo-alvo, mas não no grupo de controle. Duas medidas de rastreamento ocular (visando os olhos e as regiões da boca de um falante) melhoraram com o tempo no grupo-alvo, mas não no grupo de controle. Três medidas de comunicação, bem como o reconhecimento facial, melhoraram em ambos os grupos.

Os pesquisadores enfatizaram que, embora as melhorias na comunicação e no reconhecimento da emoção facial tenham melhorado em ambos os grupos, “a imitação aumentou, os comportamentos inadequados diminuíram e o tempo gasto na boca e nos olhos aumentou apenas no grupo que usa lentidão. A terapia da lentidão parece muito promissora para crianças com TEA”.

Uma possível limitação deste estudo, afirmam os pesquisadores, está relacionada à composição dos grupos. As crianças do grupo alvo “tiveram pontuações ligeiramente mais altas [em idade mental verbal e comunicação adaptativa e níveis de socialização] … do que as crianças do grupo de controle, o que poderia ser pelo menos em parte devido à presença de uma criança a mais com TEA leve e nenhum atraso de desenvolvimento no grupo-alvo do que no grupo de controle”.

“A lentidão abre novos caminhos terapêuticos que parecem eficazes, progressivos e seguros para melhorar a exploração facial, habilidades comunicativas e imitativas e comportamentos em crianças com TEA”, concluíram os pesquisadores. “Na mesma linha, outros profissionais também poderiam facilmente usar a lentidão… durante suas atividades verbais e sociais de interação com crianças e adultos com TEA. Mais amplamente, a lentidão pode ser usada pelos pais em contextos de brincadeira e aprendizagem da vida cotidiana com seus filhos”.

FONTE: Heather R. Johnson, in Psychiatry Advisor, 22/10/2021.

Matéria baseada nos estudos de Gepner B, Charrier A e Arciszewski T, Tardif C, conforme artigo publicado pelo publicado em 15 de julho de 2021, pelo Journal of Autism and Developmental Disorders.

Autor

Redação TVPsi
Redação TVPsi
Somos um portal dedicado a saúde mental. Uma resposta ousada à verdadeira pandemia mundial.

Leia mais

- Publicidade -

Últimas Notícias

Veja Também

- Publicidade -