NotíciasMulher tratada com sucesso para depressão por meio de implante elétrico no...

Mulher tratada com sucesso para depressão por meio de implante elétrico no cérebro

Avanço neurocientífico ‘impressionante’ dá esperança para aqueles com doenças mentais que não foram ajudados com drogas

Uma mulher com depressão severa foi tratada com sucesso por meio de um implante cerebral experimental, em um avanço “impressionante” que oferece esperança para aqueles com doença mental intratável.

O dispositivo funciona detectando padrões de atividade cerebral ligados à depressão e interrompendo-os automaticamente, utilizando pequenos pulsos de estimulação elétrica nas profundezas do cérebro.

A paciente de 36 anos, Sarah, disse que a terapia a devolveu a “uma vida que vale a pena ser vivida”, permitindo-lhe rir espontaneamente pela primeira vez em cinco anos.

Embora a terapia tenha sido testada em apenas um paciente – e só seja adequada para aqueles com doença grave – o sucesso é visto como extremamente significativo. É a primeira demonstração de que a atividade cerebral subjacente aos sintomas da doença mental pode ser detectada de forma confiável e revela que esses circuitos cerebrais podem voltar a um estado saudável, mesmo em um paciente que não está se sentindo bem há anos.

“Não fomos capazes de fazer esse tipo de terapia personalizada anteriormente na psiquiatria”, disse Katherine Scangos, professora assistente de psiquiatria clínica da Universidade da Califórnia, San Francisco (UCSF), que liderou o trabalho. “Este sucesso em si é um avanço incrível em nosso conhecimento da função cerebral que está por trás das doenças mentais.”

O professor Rupert McShane, psiquiatra consultor e professor associado da Universidade de Oxford, que não esteve envolvido no julgamento, disse: “Esta é uma demonstração impressionante … que aponta para uma forma de examinar a biologia das quedas abruptas no desespero que pode ser tão destrutivo”.

Entre 10% e 30% das pessoas com depressão não respondem a pelo menos dois tratamentos com drogas – o equivalente a cerca de 2,7 milhões de pessoas no Reino Unido.

Durante as últimas duas décadas, a estimulação cerebral profunda (DBS) foi usada para tratar dezenas de milhares de pacientes com doença de Parkinson e epilepsia. No entanto, vários testes para depressão terminaram em decepção. Um grande desafio é que o cérebro não parece ter uma única “área de depressão”; várias áreas interconectadas podem estar em jogo e podem ser diferentes entre as pessoas.

Novos e promissores avanços

“Estamos começando a reconhecer parte da complexidade envolvida em como o humor é regulado no cérebro como uma rede”, disse o professor Edward Chang, da Universidade da Califórnia em San Francisco, o neurocirurgião que tratou de Sarah.

Uma abordagem meticulosa e personalizada pavimentou o caminho para os avanços mais recentes. Em uma fase inicial que durou uma semana, um implante cerebral temporário registrou uma ampla gama de atividades, enquanto Sarah anotava regularmente seu humor em um tablet. Um algoritmo de aprendizado de máquina foi usado para identificar um padrão revelador de atividade na região da amígdala que acompanha os pontos mais baixos de Sarah.

Por tentativa e erro, os cientistas identificaram uma área do cérebro intimamente conectada, o estriado ventral, onde uma pequena dose de eletricidade parecia ter um impacto imediato e profundo.

“Quando recebi o estímulo pela primeira vez, tive a sensação de alegria mais intensa e minha depressão foi um pesadelo distante por um momento”, disse Sarah. “Eu apenas ri alto. É a primeira vez que ri ou sorri espontaneamente … em cinco anos”.

Em uma segunda rodada de cirurgia minimamente invasiva, um dispositivo permanente foi implantado, com uma minúscula bateria embutida em seu crânio, para detectar a atividade de “assinatura de depressão” na amígdala e fornecer estimulação automática ao estriado ventral.

Isso acontece cerca de 300 vezes por dia, o equivalente a cerca de 30 minutos de estimulação. O pulso elétrico não é acompanhado por nenhuma sensação, disse Sarah, além de uma sutil sensação de alerta e positividade.

“A ideia de que podemos tratar os sintomas no momento, conforme eles surgem, é uma forma totalmente nova de lidar com os casos de depressão mais difíceis de tratar”, disse Scangos. Ela espera que o trabalho também ajude a dissolver o estigma que “vem da natureza da caixa preta” da depressão.

Sarah descreveu uma vida anterior ao tratamento em que mal se movia, não tinha mais opiniões e “só percebia o que havia de feio no mundo”. Após cinco anos de sofrimento, ela ficou sem opções de tratamento. O efeito profundo do implante confirmou a ela que sua depressão estava enraizada na biologia do cérebro e “não uma falha moral, mas uma doença que poderia ser tratada”.

O dispositivo custa cerca de US $ 35.000 é uma versão adaptada de um normalmente usado para tratar a epilepsia, chamado NeuroPace RNS System. A equipe da UCSF já inscreveu mais dois pacientes e espera recrutar mais nove para avaliar se a técnica pode ser aplicada de forma mais ampla.

A professora Eileen Joyce, professora de neuropsiquiatria da University College London, que está liderando um estudo que usa estimulação cerebral profunda para o TOC, disse: “Os resultados são genuínos e significativos. É uma obra notável da neurociência clínica translacional. Não tenho certeza se alguém mais no mundo está fazendo isso no momento, mas tenho certeza que farão no futuro”.

McShane disse que, embora o método não seja amplamente ou imediatamente aplicado, “se eu fosse um estudante de medicina pensando em qual campo apresentará desenvolvimentos interessantes durante minha vida profissional, estaria considerando isso como um motivo para considerar a psiquiatria”. Os resultados foram publicados na revista Nature Medicine .

Fonte: The Guardian, International Edition. Por Hannah Devlin, em 04/10/2021

Autor

Redação TVPsi
Redação TVPsi
Somos um portal dedicado a saúde mental. Uma resposta ousada à verdadeira pandemia mundial.

Leia mais

- Publicidade -

Últimas Notícias

Veja Também

- Publicidade -